Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rabo de Cavalo

Blog de uma menina-mulher que ás vezes usa rabo de cavalo

23
Nov14

Futebol, o ópio do povo.

Como prometido cá estou eu de volta, e agora para tentar explicar o fenómeno do futebol, na visão masculina.

Ponto prévio:

  • Sou viciado em futebol.

Foi o desporto que pratiquei durante toda a minha infância e adolescência.

E não querendo falar apenas das tácticas, como o 4-4-2,  4-3-3, o fora de jogo e afins, vou começar por vos tentar explicar o fenómeno propriamente dito.

Como alguém disse “o futebol é o ópio do povo”.

Imaginem, no tempo da ditadura em que não havia liberdade para falar do que quer que fosse, o impacto que teve o Benfica sagrar-se Campeão Europeu?

 

benfica campeão.gif

 

 

JoséÁguas.jpg

 

Significava que o Benfica, clube de um país de recursos incomparavelmente inferiores aos do resto da Europa, tinha ganho ao todo poderoso Barcelona, do país nosso vizinho, Espanha.

Num tempo de ditadura, que melhor opção de afirmação social europeia poderia existir? Nenhuma, porque realmente não havia mais nada.

Para a realidade nacional foi aí que começou o grande fenómeno inventado pelos chineses e tornado famoso pelos ingleses, que o trouxeram para Portugal.

O "Primeiro Futebol"

O Tsu-chu

Durante a dinastia do imperador Huang-ti, era costume pontapear os crânios ou cabeças dos inimigos derrotados.

Os crânios, que mais tarde viriam a ser substituídos por bolas de couro, tinham que ser pontapeados pelos soldados chineses por entre duas estacas cravadas no chão, no primeiro indício de traves.

O desporto era chamado de tsu-chu, que em chinês, significa (tsu) uma "bola recheada feita de couro" (chu). O desporto foi criado para fins de treino militar, por Yang-Tsé, integrante da guarda do Imperador, na dinastia Xia, em 2.197 a.C.

 

Mas continuando, foi aí que os portugueses se encheram de orgulho e gritaram á Europa que eram bons, melhores do que os outros pelo menos numa coisa!! 

Quantas das meninas, que hoje se queixam, andaram aos pulos no Marquês de Pombal e pelas ruas das vossas cidades durante o EURO 2004?

Se repararem as nações mais apaixonadas pelo futebol são precisamente os países mais pobres, e que vêem no futebol, motivo de orgulho nacional e afirmação social.

O futebol é um espectáculo, como o cinema e o teatro, contudo para mim, o que o torna diferente de tudo o resto é a EMOÇÃO.

Durante um jogo, sentimos alegria, tristeza, raiva, amor e ódio, e meus amigos não há nada que pague as emoções que vivemos durante esses 90 minutos.

Não se preocupem com os vossos maridos, namorados e afins,  porque essencialmente naqueles 90 minutos que tanto odeiam, eles estão acima de tudo a VIVER.

Sou benfiquista convicto, ferrenho, o que me quiserem chamar. Identifico-me com a historia do clube, com as cores, com a maneira integra e honesta de como vencemos, com os valores que fazem parte da sua história.

Também altero a decoração da casa em dia de jogo, salto, pulo, grito, e choro de alegria ou de tristeza. Naqueles 90 minutos estão ali “os meus”, a minha “família” apoio e sofro com eles. Ali no relvado correm por nós, por mim, e por milhões, milhões esses que davam tudo para estar ali com eles a ajudar, a lutar contra as adversidades, a festejar com eles.

O Luisão, o Salvio, o Maxi, o Gaitán, são dos meus, são da minha família, são inclusivamente mais do que certos familiares de sangue, eram tipos que por mim estavam na minha mesa de Natal, tal o sentimento que nos une. 

O Eusébio, por exemplo, é o patriarca que infelizmente já nos deixou.

 

eusébio.jpg

 

 

Por vezes é um pouco irracional, mas o AMOR é assim….

 

 

Benfica, Meu Eterno Amor

 

 

Durante aqueles 90 minutos, nós continuamos a amar-vos, a vocês nossas mulheres, namoradas e afins, nada se altera, apenas têm que nos dividir por momentos com o outro amor da nossa vida, e se quando o jogo termina não falamos com vocês, é porque estamos magoados, feridos e não vos queremos magoar, ou falar mal, pois na realidade não têm culpa.

Rapazes moderem nos gritos, nos palavrões e na decoração da sala.

P e outras meninas, espero que tenha ajudado, tentem ser um pouco mais flexíveis com os vossos maridos/namorados, e pensem no seguinte:

Um jogo de futebol, pode ter no máximo 90 minutos + 30 de prolongamento, e mais outros 30, contando com penalties e intervalos.

Quantas vezes 2 horas e meia não chegam para irem à PRIMARK ou a um qualquer CENTRO COMERCIAL?    

 

N

 

 

2 comentários

Comentar post